VOCÊ SABE O QUE É COCHONILHA

VOCÊ COME o INSETO COCHONILHA?

SAIBA TUDO SOBRE O CORANTE CARMIN – COCHONILHA 
As cochonilhas são insetos da espécie Dactylopius coccus, medem 2 a 5 milímetros de comprimento, sendo encontradas nas cores vermelha, amarela, laranja, verde e marrom. Habitam algumas plantações, alojando-se nos frutos, raízes e folhas de diversas espécies de plantas. Em algumas regiões, alimentam-se sugando a seiva dos cactos, especialmente do gênero Opuntia.

Integram a classe dos insetos, na ordem Hemiptera, sendo parentes dos pulgões e cigarras. A cochonilha produz o ácido carmínico, que tem a função de repelir alguns dos seus predadores, como as formigas, vespas e joaninhas. O ácido carmínico, extraído do corpo e dos os ovos do inseto, é utilizado para a produção do corante carmim cochonilha.
Antes de explicar sobre o polêmico corante carmim que tem sido amplamente usado em diversos produtos desde alimentícios até cosméticos, entre outros, é interessante conhecer os diversos tipos de corantes usados pelas indústrias. Existe o corante caramelo, derivado da queima de açúcar, os corantes naturais originários de plantas ou animais e os corantes artificiais que são os sintetizados por meio de derivados do petróleo ou do alcatrão do carvão mineral. O corante carmim proveniente do inseto cochonilha é classificado como um corante natural.
É importante estar atento aos produtos que consumimos, pois os mais variados tipos de produtos podem conter corante carmim, proveniente da cochonilha, como iogurtes, geléias, biscoitos com coloração vermelha, mas também aqueles que possuem as cores amarela ou marrom, como os alimentos de chocolate.
Além disso, o corante carmim ou cochonilha é utilizado também em bebidas a base de leite de soja e “sucos de caixinha” sabor morango, com cor vermelha, amarela ou laranja, iogurte de morango, entre outros alimentos. O pigmento é aplicado também em tecidos e cosméticos (shampoos, batons, blush).
O carmim é um corante vermelho intenso, extraído da fêmea adulta do Dactylopius coccus, a cochonilha, que é um inseto semelhante a um pequeno besouro. Este corante é muito usado nas indústrias alimentícias, de cosméticos, de higiente, têxteis e farmacêuticas.
O corante carmim é popularmente conhecido como cochonilha, sendo empregado em determinados alimentos, cosméticos, tecidos e outros produtos. Entretanto, a denominação cochonilha é utilizada para especificar os insetos pertencentes a superfamília Coccoidea ou a família Coccidae e ao inseto Dactylopius coccus, no qual o seu sangue é a “matéria prima” usada para a produção deste corante. Para entender melhor o processo de produção do corante carmim, acesse o vídeo no YouTube: Você sabe o que é cochonilha? Disponível no canal SencientesTV.
Um engano muito comum que tem ocorrido em relação ao corante carmim é confundi-lo com o corante vermelho 40. Entretanto, o corante vermelho 40 não é de origem animal, sendo sintetizado quimicamente a partir do carvão e classificado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA como corante orgânico sintético artificial.
A Produção e Comercialização do Corante Carmim
Durante o século 15, o corante carmim era utilizado na América Central, para o tingir tecidos. O auge da produção do corante de cochonilha ocorreu durante o período colonial mexicano. Era produzido por povos mexicanos indígenas, em Oaxaca. Neste período, a cochonilha era o segundo produto de exportação do México, perdendo apenas para a prata que ocupava o primeiro lugar. O corante carmim era tão utilizado na Europa que o seu valor comercial cresceu tanto ao ponto de ser negociado na Bolsa de Mercadorias de Lomdres e Amsterdam.
Com o surgimento dos corantes artificiais como a alizarina, criada no século 19, houve a diminuição da produção e comercialização de corantes naturais. Entretanto, devido a algumas pesquisas científicas comprovarem que os corantes artificiais eram nocivos por alguns terem substâncias cancerígenas, os corantes naturais voltaram a ser comercializados e o corante camim voltou a ser utilizado em larga escala.
Os aspectos éticos em relação a produção do corante cochonilha.
Foram realizados estudos, comprovando que a utilização do corante carmim ou cochonilha pode causar reações alérgicas e até choque anafilático em algumas pessoas. O alergologista, James L. Baldwin, da Universidade do Michigan (University of Michigan Medical Center ), constatou que o corante carmim desencadeou choque anafilático em um paciente que comeu um picolé roxo. O resultado da sua pesquisa sobre o corante carmim foi publicado na edição de novembro 1997 ” Annals of Allergy , Asthma and Immunology.
Além disso, organizações de defesa dos animais e integrantes do Movimento Vegan, os veganos, lutam para acabar com a utilização deste corante, por considerar o processo de extração do pimento cruel e antiético. Para fazer apenas meio quilo de corante é necessário matar cerca de setenta mil cochonilhas.
As cochonilhas são mortas para a obtenção do corante carmim com requinte de crueldade, seja por esmagamento, trituradas, seja por imersão em água fervente ou são expostas ao calor de um forno. Este é um dos principais motivos de veganos realizarem campanhas de conscientização sobre o cruel processo que são submetidas as cochonilhas para a produção do corante carmim. Além disso, estes ativistas não compram produtos que contenham este pigmento.
O corante cochonilha pode ser perfeitamente substituído por corantes a base de vegetais, extraídos de frutas, flores e cascas de árvores, como o urucun, açafrão, a páprica, beterraba, uva e o corante antocianina produzido a partir de castas de frutas e flores. Estes corantes de origem vegetal proporcionam uma gama de lindas cores como o vermelho, a púrpura, o azul, o amarelo, o laranja, o verde, entre outros corantes, obtidos de acordo com a matéria prima vegetal utilizada.
Para quem tem a preocupação em não consumir alimentos ou outros produtos com o corante carmim, coloquei abaixo as denominações atribuídas ao corante carmim. Acredito que facilitará a verificação nos rótulos dos produtos para ver se tem o corante cochonilha.
*Estas são as denominações atribuídas ao corante carmim:
  • E120;
  • INS 120;
  • Corante Natural Ácido Carmínico;
  • Corante Natural Carmim de Cochonilha;
  • CI 75470 quando o corante está presente em cosméticos.

*VEJA O MEU VÍDEO SOBRE O PROCESSO DE PRODUÇÃO DO CORANTE CARMIM A BASE DO INSETO COCHONILHA. CLIQUE AQUI!

Anúncios